British Columbia, There We'll Go!

Categorias Intercâmbio em Familia

FullSizeRender (1)
British Columbia Parliament Building: o cartão postal de Victoria.

Apesar de estarmos sempre ligados em viagens, ainda não havíamos considerado a hipótese de morar fora do país por algum tempo. Foi tudo tão inesperado que, entre nossa primeira conversa sobre essa possibilidade até o dia de nossa chegada ao Canadá, passaram-se apenas três meses e meio. Normalmente, as pessoas se programam financeiramente, pesquisam e se preparam por aproximadamente 6 meses e nós fizemos tudo isso em pouquíssimo tempo. Ás vezes, comentamos que só deu certo porque estávamos tão ligados em todos os preparativos que não paramos para pensar!

            A ideia existia: estudarmos inglês no exterior. Mas…. ir pra onde? Estudar em qual escola? E como seria a escola para nossas filhas? Passamos várias tardes pesquisando e aos poucos fomos excluindo alguns lugares: eu não queria Estados Unidos porque sempre me lembrava daqueles ataques que já ocorreram em escolas e que mataram muitas crianças ( coisa de mãe rsrsr) e também porque nossa experiência em viagens aos EUA não tinham sido muito boas. O preconceito contra latinos lá é considerável. Meu marido não gosta de frio: outra variável que também levamos em consideração. Cogitamos Malta, Inglaterra, Canadá…. e não conseguíamos nos decidir. Até que soubemos que haveria uma reunião na escola de nossas filhas para uma excursão de duas semanas para o Canadá. Fui até lá para ver se conseguiria alguma informação, algum contato que pudesse ajudar na nossa escolha. E foi isso que aconteceu. Lá conheci Thaís Mascarenha do Canadá Inesquecível,  que nos deu todo direcionamento que precisávamos. Ela trabalha para o governo canadense e tem contato com várias escolas e universidades naquele país. Pegamos informações sobre várias cidades e Thaís nos dava dicas se valia a pena ou não estudar naquela cidade, custo de vida, estilo de vida da cidade, clima,  até que todas as considerações nos direcionaram para Victoria, a capital de British Columbia.

        Cidade definida, começaram os preparativos. Foi a fase mais tensa pois, dependíamos da liberação de licença do trabalho, recebimento de LOA ( carta de aceitação das escolas canadenses, sem a qual não tínhamos como tirar o visto de estudante) pesquisar sobre aluguel de casa , fazer levantamento de custos ( até sites de supermercados canadenses nós consultamos para tentarmos descobrir qual seria nosso gasto mensal lá).

            Aos poucos tudo foi se ajeitando: recebemos as LOA´s, entramos com o pedido de visto e começamos a pesquisar voos. Encontramos bons preços mas não podíamos comprar, uma vez que ainda não tínhamos o visto nem a liberação de licença do trabalho. A cada semana os bilhetes aumentavam mais de preço. E o nível de ansiedade também. Até que, no final de abril, resolvemos comprar pois, Thais nos tranquilizou quanto ao visto e no trabalho já havia sido sinalizado que conseguiríamos a licença, faltando apenas a formalização da liberação.

            Depois veio a árdua tarefa de encontrar um lugar para morar. Lemos muito sobre Victoria, passamos horas estudando a cidade pelo Google Maps tentando imaginar onde seria o lugar ideal para morarmos. Sabíamos onde seriam as escolas mas não tínhamos ideia onde seria nossa casa. Dificílimo escolher um lugar para morar em uma cidade que, até então, você nunca tinha ouvido falar. Foi ai que encontramos um grupo de brasileiros em Victoria no Facebook. E lá tive informações valiosas sobre a cidade, inclusive a triste realidade: aluguel caríssimo e poucas opções. Fomos alertados também sobre a possibilidade de golpes e anúncios falsos.

         Em uma dessas pesquisas, encontrei um apartamento que nos atendia bem e entrei em contato com o administrador do imóvel. Não estava disponível para nossa data de chegada (chegaríamos dia 20/07/2016), somente em outubro. Outro imóvel da mesma empresa estaria liberado a partir do dia 01/08/2016. Então, após semanas de negociações e pesquisa resolvemos que ficaríamos em algum hotel nos 10 primeiros dias e em seguida nos mudaríamos para o primeiro apartamento. Mas, mineiro é desconfiado… estávamos com muito medo da empresa não ser séria, do apartamento não existir, enfim, todas essas inseguranças que passam por nossas cabeças numa situação dessas. Foi aí que aconteceu uma grande coincidência que  foi deciiva  para o sucesso de nossa viagem. Postei no grupo do Facebook uma foto do prédio no qual estávamos olhando o apartamento e ele ficava no quarteirão ao lado do qual  trabalhava uma das brasileiras do grupo. No mesmo dia, ela me ligou pelo messenger dizendo que conhecia o prédio e que poderia olhar o apartamento para nós. Meu Deus, anjos existem! Foi nossa grande tranquilidade pois, ela fez contato com a empresa e ainda filmou o apartamento para nós. A partir daí, fechamos o contrato e mais uma situação estava resolvida. Bilhetes comprados, casa alugada, liberação do trabalho concedida mas….. ainda faltava o visto!

            Como já disse, essa temporada no Canadá foi tão inesperada que, em Janeiro, antes de começarmos a pensar sobre isso, havíamos comprado uma viagem para o Chile e Argentina que  aconteceria em junho.Os hotéis já estavam pagos e, financeiramente, não compensava cancelar. Seria uma viagem de dez dias no meio da organização de outra viagem e faltando apenas um mês para a esperada aventura canadense. Haja coração! E foi lá em Mendoza, durante um jantar, que recebemos a notícia que faltava: nossos passaportes já estavam em Belo Horizonte com o visto canadense!!! Brindamos nosso aniversário de casamento e nossos vistos.

            E assim, ao chegarmos do Chile, no caminho do aeroporto até nossa casa foi que anunciamos para toda família (até então não sabiam nem desconfiavam de nada) : dentro de exatos trinta dias embarcaríamos para aquela que seria a nossa grande aventura!

      Although we had always thought about traveling, we never considered the idea of living abroad. Everything happened so fast. After our first conversation about the idea of living in Canada, it took us only three months and half to prepare to get there. Normally, most people would spend average six months for preparation, but we did it all in three months and half. Sometimes, we believe that our preparation of our trip was successful because of making quick and precise decisions! Less talk and more actions!

      Indeed, the idea was studying English abroad. But … where? which school? How and where would be our daughters’ school? I spent many afternoons searching, eliminating some options day by day: I didn’t want to studying in USA because I remembered those attacks that have happened at schools  where children were killed (it’s mother think, sorry, lol) and moreover our first experience in USA wasn’t so good. Unfortunately, in that  country, there are prejudice thoughts against Latino Americans. My husband doesn’t like cold weather, it was another thing that we had to consider. We thought many country as options such as Malta, England, Canada ….. It was a difficult decision, however, we had a meeting in our kids’ school in Brazil. It was good opportunity for us to get more information  about travelling to Canada. I went there to try get some information about choosing the right country. And then,  on that meeting, I met Thaís Mascarenhas, who gave us all information that we needed. She’s been an intermediary with Canadian government and  many schools to help Brazilians to move there. She informed us about several cities and gave us tips and recommendations regarding prices, lifestyle and weather. In the end, we decided to move to Victoria, British Columbia capital.

      We have chosen the city and started for the preparations. It was the most tense period, we needed our leave of absence from our jobs and to get LOA (Letter of Acceptance) from Canadian’s school, which was necessary for us get the student visa. At that time, we were looking for a house to rent. We had to do our budget, with focusing in expenses (Canadian supermarket’s sites that we searched for to try find out how much would be necessary for each month in Canada).

       Gradually, we got everything that we needed: we got our LAO’s, we applied for visa and then we started to search for the flights to Canada. We found good prices, but we couldn’t buy the tickets yet because we didn’t have our visa and  leave of absence approvals from our jobs. The tickets were getting more expensive each week, that was making us much more anxious . Finally , we decided to buy the tickets in April , because Thais told us that the visa would be approved and it looked like we were getting permission from our jobs.

       After that, we had another difficult mission: A good place to rent. We had read a lot about Victoria and (we) spent many hours of studying the city with Google maps trying to found out where would be the ideal place for us to live. We knew where would be the schools but we had no idea where would be our rental home. It was so hard to choose the house in a city where we had never been. In that time, we found out a brazilian group on facebook that its members live in Victoria. We had so much and useful information from those people about the city, moreover, we learned  that house rentals were too expensive and there were just a few options. They also advised us about scams and fake advertisements.

        During my searches I’ve found out an appartment that was enough and good for us. I’ve gotten in touch with the  realtor, but it wasn’t available in the date we’d get there (would get there on 20/07/2016) and that option woube be available just after October. However, another apartment form the same company will be available on 01/08/2016. Then, after a few weeks dealing and searching we’ve decided to stay at in a hotel in the first ten days and, after that, we would move to the first apartment. However, mineiro is wary … we were so much afraid, thinking about the company couldn’t be honest and the apartment couldn’t be real. You know, we thought about every concerns we normally think in that situation. In that moment happened a huge coincidence that decided for the success in our trip. I posted in facebook’s group a picture from the building that we were trying to rent and it was in the same block where a Brazilian girl, member of that group, works. That girl called me on the same day by messenger app telling me that she knew the building and she was willing to go there to see the apartment for us. My god, the angels exist! It was our big solution and we got relax because she got in touch with company and filmed inside the flat. She sent the video us and we finished the contract with the company. At that moment, we already had tickets, house rented, got work license …., but needed to get our Canadian’s visa yet!

                As I told before, the idea about Canada was so unexpected that, in last January, before we think about that, we already had bought a trip to Chile and Argentina for June. The hotels were paid and the cancelation wasn’t a big deal. It was  ten days traveling during the organization of the other trip. It’d happen in less than one month before our adventure in Canada. When we were in Mendoza, during a dinner, we were communicated by email about the last need new: the passports were in Belo Horizonte with our Canadian visas!! We tasted for our wedding anniversary and our visas.

                After that, when we got Belo Horizonte, in our way from the  airport to our home, we were communicated the whole family, who until that moment didn’t know anything about our trip to Canada. With in exactly thirty days we’d board to that would be our big adventure!

0 ideia sobre “British Columbia, There We'll Go!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *